Voltar
Voltar
Voltar

Informativo Quinzenal

QUERO INOVAR NA MINHA IES. POR ONDE COMEÇO?


Você já se fez esta pergunta? Caso tenho respondido sim, saiba que você não está sozinho. Este é um desafio cada vez mais presente no dia-a-dia dos gestores.

No último mês, 3 instituições de grande porte vieram conversar exatamente sobre o mesmo tema: queremos inovar, mas não sabemos como dar o primeiro passo. Gestores profissionais, líderes de organizações com algumas centenas de funcionários, reconhecem a necessidade e a oportunidade de inovar nos seus negócios, mas também estão cientes de que inovação é mais do que um termo da moda e merece planejamento.

É aí que entram os atores do ecossistema de inovação, para cocriar com essas organizações seus próprios caminhos para inovar e introduzir uma cultura de inovação efetiva.

A primeira pergunta que os gestores devem responder é: Qual o objetivo da inovação para a sua IES? Acredite, cada instituição tem sua resposta bem particular.

Dentre os objetivos, aumentar portfólio de produtos e serviços, agregar valor para o cliente, melhorar a experiência do usuário (cliente externo ou interno), reduzir custos, melhorar eficiência, atrair e reter talentos, posicionar-se no mercado como pioneiro, promover a criatividade entre a equipe, conquistar liderança tecnológica no setor e acompanhar a concorrência são alguns dos mais comuns. Mas também há organizações que visualizam a possibilidade de rentabilidade com desenvolvimento de spin-off ou investimento em startups, enquanto outros querem realizar seus propósitos de desenvolver a economia local e/ou o segmento econômico em que atuam.

No caso das instituições de ensino, inovar ganha proporções ainda mais relevantes. Além dos objetivos tradicionais, ainda é possível:

A definição do objetivo é determinante para otimizar os recursos e ganhar em assertividade no processo. Priorizar as ações alinhadas com os objetivos vai trazer celeridade, motivação e economia, aumentando as chances de sucesso na empreitada.

O próximo passo é definir um orçamento e formalizar um projeto de inovação, com metas e prazos. O projeto, com orçamento definido, vai ajudar a equipe a manter o foco nas ações prioritárias e evitar o deslumbramento com dezenas de eventos fantásticos e viagens maravilhosas para conhecer ecossistemas famosos, mas que talvez não sejam os mais adequados para os objetivos daquela IES especificamente.

Aí vem a melhor parte: como a inovação é um tema absolutamente estratégico para qualquer nação, existe uma variedade de linhas de recursos e incentivos para as organizações investirem em pesquisa, desenvolvimento e inovação.

As melhores linhas de recurso disponíveis no Brasil, atualmente, estão direcionadas para investimentos em inovação. Destaca-se a FINEP, oferecendo linhas reembolsáveis com prazos de carência que podem chegar a 4 anos e financiamentos com tempo total de até 10 anos, além de taxas que variam de 6% a 10% a.a. para as inovações.

E um aspecto muito positivo dessas linhas é que as aplicações permitidas pela FINEP incluem todos os gastos do projeto, desde o processo de conceituação da inovação até a sua divulgação ao público externo. Mais do que inovações revolucionárias do ponto de vista tecnológico, o objetivo dos recursos é fomentar projetos que incluam adoção de novas tecnologias, mas dentro de um modelo de negócios sustentável e que melhore os níveis de competitividade das organizações.

Um bom projeto permitirá aos gestores acessar esses recursos e ainda aproveitá-los para gastos já existentes nas atividades típicas de inovação, como equipe técnica, serviços de terceiros, licenciamento de tecnologias diversas, gastos com testes e validações, estudos e mais uma grande variedade de gastos que as organizações já vêm realizando para manter seus altos níveis de competitividade e qualidade.

Desta forma, além de promover importantes ganhos financeiros e não-financeiros para as organizações, o investimento em inovação pode trazer um impacto positivo no fluxo de caixa ainda durante o processo de desenvolvimento.

Não existe uma fórmula única para ter sucesso na inovação, mas a boa combinação de elementos pode resultar na melhor fórmula para a sua instituição. E então, já sabe qual será o primeiro projeto que vamos tirar da gaveta?

Ilisangela Mais

Consultora da Hoper Educação.

EXPEDIENTE:

Revisão: Maria Luiza Zarro e Márcio Schünemann – Diagramação: Fernanda Souza - Imagens: Fernanda Souza

ATENÇÃO: Não é permitida a reprodução integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é permitida apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime (Lei 9610/98).

Últimos artigos

Cadastre-se para receber nossas newsletters

Leia Mais

  • Facebook Clean Grey
  • YouTube Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • LinkedIn Clean Grey
RSS Feed

+55 45 3026 0100   hoper@hoper.com.br

FOZ DO IGUAÇU

Avenida República Argentina, 3370 - Sala 03 - Jd. Panorama - 85856 578 - Foz do Iguaçu - PR - Brasil

BRASÍLIA

SHN Qd. 01, Bl. "F"- Entrada "A", Conj. "A", Edifício Vision Work & Live - 10º andar - Sala 1003 - 70701-060 - Asa Norte -  Brasília - DF - Brasil (agende seu horário pelo telefone 45 3026.0125)

 

Copyright © 2014 HOPER EDUCAÇÃO. Todos os direitos reservados.

hoper, analize, ssa, sagah, portal, universitario, consultoria, indicadores, solucao, aprendizagem, assessoria, gestao, academica, educacao, educacionais