Voltar
Voltar
Voltar

Informativo Quinzenal

DA FLIPPED CLASSROOM À FLIPPED LEARNING

23.03.2015

A expressão “flipped classroom”, traduzida no Brasil como sala de aula invertida, foi lançada por volta de 2008 por dois professores de ensino médio norte-americanos, Jonathan Bergmann e Aaron Sams, que resolveram gravar vídeos com o conteúdo das suas aulas de química e disponibilizá-los on-line para os alunos faltantes. Em pouco tempo, os vídeos passaram a ser acessados também pelos estudantes assíduos, e depois, por estudantes e professores de outras localidades, nos Estados Unidos. A essa altura, Bergmann e Sams já haviam percebido o potencial de transformação daquela estratégia, e viram a oportunidade de mudar radicalmente a forma como utilizavam o tempo na sala de aula. Hoje ambos integram o conselho da Flipped Learning Network–FLN, instituição voltada à pesquisa sobre o modelo flipped.

 

Conforme as experiências de inversão da sala de aula se ampliavam, desenvolvia-se o conceito e a fundamentação pedagógica das ações envolvidas. Por intervenção da FLN, nos Estados Unidos o modelo começa a ser referenciado como “flipped learning” (aprendizagem invertida). Foi renomeado num esforço para destacar que não basta inverter o local de ocorrência das ações, para que se configure um modelo diferenciado de aprendizagem. 

 

Em linhas gerais, consiste em realocar as atividades de aprendizagem e redistribuir os tempos de estudo. Diferentemente dos modelos tradicionais, o contato com o conteúdo de base (instrução direta) acontece fora do espaço-tempo da sala de aula, por meio de vídeos, arquivos de áudio, textos e outros. Em sala, o tempo é empregado na discussão e debate sobre os conteúdos, na resolução de questões, no desenvolvimento de projetos ou outras atividades práticas e de aplicação dos conceitos.  

 

Na educação superior, o ciclo em torno de um tema pode ser descrito como na figura seguinte:

 

A exploração do conceito é a porção que comporta a instrução direta – acesso ao conteúdo de base, e que o aluno deve completar antes do momento em sala, com o professor e os colegas.

A porção referente à construção de significados é realizada em tempos e espaços definidos segundo as preferências dos estudantes e do professor e a adequação dos recursos ao tema/atividade.

 

A parte correspondente a demonstração, aplicação ocorre nos momentos em que professor e alunos estão reunidos, na sala de aula, em laboratórios ou outros espaços. 

 

A flipped learning faz parte de um ideário educacional que envolve abordagens assentadas na aprendizagem ativa – concepção pedagógica segundo a qual o aprendizado ocorre quando o aluno está engajado no processo e busca o conhecimento de forma proativa. O conceito  flipped comporta a associação com diferentes tipos de metodologias ativas. 

 

O modelo demanda transformações importantes nos papeis de professores e estudantes. Para o professor, a mudança mais significativa talvez seja a extinção da rotina de entrar em sala para proferir uma aula-palestra. Cessa a atividade de “transmissão de conhecimento” para dar lugar à atividade de orientação: na busca de informações; na participação nos debates e discussões; no desenvolvimento das atividades de aplicação dos conceitos. Para o aluno, a principal demanda é essencialmente atitudinal: sair da condição de plateia e adotar uma postura proativa em relação ao seu aprendizado e à sua formação profissional. 

 

No Brasil, a abordagem ainda é conhecida como flipped classroom. A quantidade de experiências na educação superior é relativamente pequena, mas começam a surgir dados de pesquisa sobre sua utilização – bem sucedida – em cursos da área da saúde e em cursos tecnológicos.

 

Nos Estados Unidos, o histórico de experiências é consideravelmente maior, com aplicação do modelo em todos os níveis educacionais. Em consequência, a pesquisa sobre o tema desenvolveu-se e estendeu-se para além das fronteiras do país. Na educação superior, um levantamento realizado pela Pearson Education colheu informações em 22 artigos sobre flipped learning, e ranqueou os fatores apontados como motivadores da mudança para o modelo flipped. Traduzidos em objetivos a serem atingidos, esses fatores são apresentados no quadro abaixo.

 

O quadro mostra as razões pelas quais as instituições optaram por implantar a flipped learning, de acordo com objetivos que pretendiam atingir.

 

Apenas inverter o local de ocorrência das ações não garante a transformação desejada. O sucesso depende principalmente do comprometimento das pessoas – estudantes, gestores, professores e demais funcionários – em atingir objetivos por meio da promoção da autonomia e protagonismo do aluno.

 

 

 

 

 

 

SANDRA RODRIGUES

Consultora - Hoper Educação

 

 

 

 

EXPEDIENTE:

Revisão: Márcio Schünemann - Edição: Carla Thomasi – Diagramação: Luana Guillande

 

 

REFERÊNCIAS:

ARONSON, N. Arfstrom, K. M. Tam, K. Flipped Learning in Higher Education. Disponível em: <http://www.flippedlearning.org/cms/lib07/VA01923112/Centricity/Domain/41/HigherEdWhit ePaper%20FINAL.pdf>. Acesso em: 11 Mar. 2015.

TUCKER, B. The Flipped Classroom - Online instruction at home frees class time for learning. Education next, [s.l.], v.10, n.1, Winter 2012. Disponível em: <http://educationnext.org/the-flipped-classroom/>. Acesso em 16 Mar. 2015.

What is a 'flipped classroom'? Institute for Teaching and Learning Innovation – The University of Queensland. Disponível em : < http://www.uq.edu.au/tediteach/flipped-classroom/what-is-fc.html >. Acesso em: 12 Mar. 2015.

http://flippedlearning.org/FLN Acesso em: 16 Mar. 2015. 

 

 

ATENÇÃO: Não é permitida a reprodução integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é permitida apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra.

Plágio é crime (Lei 9610/98).

 

Please reload

Últimos artigos

Please reload

Cadastre-se para receber nossas newsletters

Leia Mais

Please reload

  • Facebook Clean Grey
  • YouTube Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • LinkedIn Clean Grey
RSS Feed

+55 45 3026 0100   hoper@hoper.com.br

FOZ DO IGUAÇU

Avenida República Argentina, 3370 - Sala 03 - Jd. Panorama - 85856 578 - Foz do Iguaçu - PR - Brasil

BRASÍLIA

SHN Qd. 01, Bl. "F"- Entrada "A", Conj. "A", Edifício Vision Work & Live - 10º andar - Sala 1003 - 70701-060 - Asa Norte -  Brasília - DF - Brasil (agende seu horário pelo telefone 45 3026.0125)

 

hoper, analize, ssa, sagah, portal, universitario, consultoria, indicadores, solucao, aprendizagem, assessoria, gestao, academica, educacao, educacionais

Copyright © 2014 HOPER EDUCAÇÃO. Todos os direitos reservados.